Noção de Vídeo Digital

O vídeo digital é uma tecnologia muito recente. No entanto já se tem vindo a afirmar como uma arte quer através de criação sintética, animação ou tratamento visual. A imagem pertencente ao vídeo determina uma mudança fundamental percepção do ser o humano, e isto permite ao artista mais liberdade para criar os seus vídeos. Este facto, possibilita a desreferenciação da imagem, isto é, o referente da imagem deixar de ser a realidade e passar a fazer parte da materialidade numérica, no qual o constituinte base é o pixel. Assim sendo, a imagem pode ser manipulada e torna-se uma imagem plástica, abstracta, imaginária e é conseguida com a imaginação e memória do artista e memória do computador.

A característica irregular da imagem digital enriquece e engrandece o vídeo que depois de inserido no computador tende a absorver outras mensagens como fotografias, animações, grafismos, som, textos, objectos interactivos. Com capacidade do computador de codificar tudo o que pode capturar, tanto o real como o imaginário, todas as imagens da história são convertidas para um discurso novo, espaço-temporal próprio do vídeo. O vídeo digital pode, então, ser visto como uma linguagem em potência, uma vez que permite a convergência e releitura de todas as outras linguagens.



Bruce Nauman

Bruce Nauman nasceu a 6 de Dezembro de 1941, em Fort Wayne, Indiana. É um artista americano contemporâneo que abrange uma ampla gama de materiais, incluindo escultura, fotografia, neon, vídeo, desenho, gravura e desempenho.


Matthew Barney

Matthew Barney é um artista americano que trabalha em escultura, fotografia, desenho e filme. Os seus primeiros trabalhos foram instalações feitas com esculturas juntamente com performance e vídeo. Entre 1994 e 2002, ele criou o Ciclo Cremaster, uma série de cinco longas-metragens descrito por Jonathan Jones do The Guardian como “uma das realizações mais criativas e brilhantes da história do cinema avant-garde”.


Joan Jonas

Joan Jonas é um dos pioneiros do vídeo arte com performance. A sua carreira surgiu nos anos 60 e inicio dos 70, tendo sido fundamental na formação deste tipo de arte. Teve influência no desenvolvimento da arte contemporânea em diversos géneros: performance; vídeo arte conceptual e teatro. Durante a última década, Jonas tem colaborado com compositores como Alvin Lucier para o desenvolvimento colaborativo de vídeo da fábrica de desempenho, e tem realizado e excursionou com o Wooster Group.



Nam June Paik

Nam June Paik foi um artista sul coreano que trabalhou em diversos meios de arte, sendo frequentemente reconhecido pela descoberta e criação do meio conhecido como vídeo arte.

Enquanto estudava na Alemanha, Paik conheceu os compositores Karlheinz Stockhausen e John Cage, assim como em artista conceptuais. Após conhecê-los, inspirou-se para trabalhar na arte eletrónica. Paik participou com Stockhausen e Cage num movimento de arte neo-dadaísta conhecido por Fluxus. Paik fez sua grande estreia numa exibição conhecida por “Exposition of Music-Electronic Television”, no qual espalhou televisores em todos os lugares e utilizou ímanes para alterar ou distorcer as imagens. A obra, conhecida por “TV Magnet“, deu origem à vídeo arte.



Bill Viola

Bill Viola produz vídeo arte desde a década de ‘70. Começou sua carreira expondo os seus trabalhos no Everson Museun em Syracuse, Nova York. Procurou inspiração noutros artistas e um deles foi Nam June Paik. Os seus vídeos consistem em instalações e performances. Estes são reconhecidos pelo uso transparente do aparato videográfico, um controle e entendimento complexo do tempo, e por um inventivo uso do som. nos seus temas tenta passar a ideia do espiritual ou místico, do abstracto, e também tem uma função interventiva na sociedade. O artista critica a televisão e a passividade e comodismo de quem a vê. Ele trabalha códigos simbólicos e reflecte sobre a falta de consciência colectiva na arte e faz um uso muito próprio do sonho e da fantasia.



Pipilotti Rist

Elisabeth Charlotte Rist nasceu em 1962 em Grabs, Sankt Gallen, na Suíça. Desde sua infância, ela foi apelidada de Pipilotti. O nome refere-se ao romance de Píppi Meialonga Astrid Lindgren.

Rist estudou na Universidade de Artes Aplicadas de Viena e mais tarde estudou vídeo na Escola de Design na Suíça. Em 1997, seu primeiro trabalho foi apresentado na Bienal de Veneza, onde foi galardoado com o Prémio Nobel 2000.
Pertenceu à banda de música e performance do grupo Les Reines Prochaines.



Chris Burden

Chris Burden é um artista norte americano, que a partir dos anos 70, desenvolveu uma série de acções nas quais utilizou o próprio corpo como material de trabalho e de comunicação, assumindo-se como um dos protagonistas do movimento da Body Art nos Estados Unidos. Nas suas performances, era evidente a tendência para as acções mais extremas e radicais, através das quais procurava questionar algumas práticas sociais e tabus ligados à cultura contemporânea e, simultaneamente, colocar em causa a função da arte e a responsabilidade ética do artista.

Noutros projectos conceptuais, Burden abordou a problemática da comunicação de massas através da utilização da rádio ou da televisão, mas de uma forma menos radical e violenta.

Nos anos 90, o artista revelou preferência pela realização de instalações através das quais procura relacionar-se de forma directa com o lugar onde estas se encontram, como se verifica, por exemplo, na peça La Tour des Trois-Museaux, de 1994.



Steina and Woody Vasulka

Steina Vasulka e Woody Vasulka são pioneiros da vídeo arte, tendo começado a trabalhar neste género desde o seu início na década de ‘60.

Steina estudou como música clássica, antes de receber uma bolsa de estudos no Conservatório de Praga, em 1959. Woody estudou engenharia antes de estudar televisão e produção cinematográfica na Academia de Artes Performáticas de Praga. O casal conheceu-se no início dos anos 1960 e se mudou para Nova York em 1965, onde foi pioneiro na exibição de vídeo-arte no Museu Whitney e The Kitchen fundada em 1971.